Limpeza de estruturas metálicas: processo adequado garante a qualidade da pintura

A preparação correta de superfícies metálicas é fundamental para o sucesso da pintura. O substrato deve estar seco, sem poeira, ferrugem, cera, gordura, graxa, sabão ou mofo. Para uma limpeza adequada, inicialmente, deve ser avaliado o estado geral da estrutura, incluindo a presença de resíduos e pontos de corrosão para, em seguida, determinar o melhor método a ser aplicado.

Limpeza química – A maioria das graxas e óleos é insolúvel em água, mas existem as graxas saponificáveis, que precisam ser removidas com produtos alcalinos (soda cáustica). Em geral, a limpeza é feita por imersão ou banhos de spray a quente (40 a 60o C) e, em seguida, é feita a lavagem com água limpa. Alguns tipos de óleos minerais não são saponificáveis e sua remoção é feita com solventes orgânicos apropriados ou soluções detergentes, que também são eficientes para retirar sais e óxidos solúveis. É muito importante lavar bem as peças após a aplicação desses produtos, para remover possíveis resíduos que podem interferir na aderência da tinta.

Limpeza com ferramentas mecânicas manuais – Consiste na remoção da camada de óxidos e outros materiais não muito aderentes, por meio de ferramentas manuais e mecânicas,  raspador, picador, escova com cerdas de aço, escovas rotativas, marteletes de agulha (agulheiros) e lixadeiras. Esse tipo de limpeza merece atenção, no que diz respeito à ferramenta utilizada, pois a superfície pode ficar muito lisa (polida) e dificultar a aderência da tinta. Esse tipo de limpeza corresponde aos padrões visuais St2 e St3 da Norma Sueca SIS 05 59 00 e ISO 8.501-1.

Limpeza com jateamento abrasivo – Trata-se da remoção da camada de óxidos e outras substâncias acumuladas na superfície, por meio da aplicação de um jato abrasivo de granalha de aço – material mais comum. Este tipo de limpeza é um dos mais recomendados para aplicação de pintura, por ser de grande rendimento de execução, proporcionar uma limpeza adequada e deixar na superfície uma boa rugosidade para ancoragem da tinta. Nesse processo, é preciso ter alguns cuidados para evitar o excesso de rugosidade e garantir o bom desempenho do esquema de pintura. A limpeza por jateamento abrasivo é classificada em quatro graus, correspondentes aos padrões da Norma Sueca SIS 05 59 00 e ISO 8501-1, que devem ser considerados de acordo com o estado de oxidação da estrutura:

  • Jateamento ligeiro ou brush off (Sa1) – É um processo de limpeza ligeira, em geral pouco empregado para pintura, exceto em alguns casos de repintura. A retirada do produto de corrosão fica em torno de 5%.
  • Jateamento comercial (Sa2): Limpeza da superfície com a retirada de óxidos e carepa de laminação em cerca de 50%.
  • Jateamento ao metal quase branco (Sa2 ½): Limpeza da superfície com a retirada quase total dos óxidos e carepa de laminação, com cerca de 5% da área limpa com manchas ou raias de óxidos encrustados.
  • Jateamento ao metal branco (Sa3): Essa limpeza consiste na retirada total de óxidos e carepa de laminação, deixando a superfície do metal completamente limpa
  • Hidrojateamento – Esse sistema é de grande eficácia na limpeza de estruturas metálicas, retirada de materiais soltos, produtos de corrosão, remoção de tintas e ferrugem. Por não promover rugosidade, é indicado para superfícies pintadas anteriormente e que já possuam esse perfil.

Comente sobre este post

Não se preocupe, seu endereço de email não será publicado.